Inicio Destaques Cabo Verde isenta de visto cidadãos da CPLP para estadias até 90...

Cabo Verde isenta de visto cidadãos da CPLP para estadias até 90 dias

598

Cabo Verde vai passar a permitir estadias curtas no arquipélago, de até 90 dias, para cidadãos dos Estados-membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), conforme alterações legais introduzidas para implementar o acordo de mobilidade.

De acordo com a alteração à lei sobre o regime jurídico de entrada, permanência, saída e expulsão de estrangeiros do território cabo-verdiano, bem como da respetiva situação jurídica, em vigor a partir de hoje, Cabo Verde passa a prever entre as modalidades de mobilidade a “Estada de curta duração CPLP”.

“É garantida aos cidadãos dos Estados-membros da CPLP a entrada no território nacional para estada de curta duração com isenção de visto, nas condições previstas no Acordo sobre a Mobilidade”, com “a duração máxima de 90 dias”, admitindo, contudo, a possibilidade de exigência de apresentação de meios de subsistência.

Desde 2019 que Cabo Verde isenta de visto, por períodos até 30 dias, turistas de quase 40 países, incluindo Portugal e Brasil, mediante pagamento de uma taxa de segurança aeroportuária à chegada aos aeroportos nacionais.

Esta alteração, aprovada pelo Governo e pelo parlamento, e promulgada pelo Presidente da República, José Maria Nevez, institui ainda a “Estada Temporária CPLP”, com a concessão de um visto de até 12 meses para cidadãos dos Estados-membros da comunidade que pretendam permanecer em Cabo Verde “por razões de ordem profissional”.

É ainda instituído o visto “Residência CPLP” e a “Autorização de Residência CPLP”, conforme a mesma alteração, em que “são reconhecidos direitos especiais face aos demais estrangeiros, gozando de vantagens de tratamento na entrada e permanência no território nacional”.

“No essencial, a presente proposta de Lei altera o regime jurídico de entrada, permanência, saída e expulsão de estrangeiros para incorporar o regime especial de tratamento que é dado aos cidadãos dos Estados-membros da CPLP”, lê-se no preâmbulo da alteração legislativa, publicada em 08 de maio, consultada pela Lusa e que entrou hoje em vigor.

Acrescenta que o objetivo é permitir “a máxima mobilidade no `espaço` da CPLP, não só como instrumento de reforço das relações de amizade e de cooperação entre os Estados”, mas também porque “se reveste de fundamental relevância para setores como a cultura, a educação, a ciência, a tecnologia e a inovação, e ainda pela dinâmica excecional que poderá imprimir ao turismo intracomunitário e ao setor económico e empresarial de uma forma geral”.

“Abre para as pessoas e instituições novos horizontes de procura de soluções e de realização de empreendimentos da mais variada natureza, estreitando relações e reforçando cumplicidades”, descreve ainda.

Isenta de visto também os cidadãos nacionais dos Estados-membros da CPLP titulares de passaportes diplomáticos, oficiais, especiais e de serviço, sujeita à autorização administrativa o pedido de entrada para estadas temporárias por parte de certas categorias profissionais, cidadãos dos Estados-membros da CPLP e “confere direito de residência no território de Cabo Verde aos cidadãos dos Estados-membros da CPLP”, desde que “sobre o requerente não impenda uma medida de interdição de entrada e ele não constitua uma ameaça à ordem, segurança ou saúde pública nacional”.

“Importa olhar, pois, não apenas para as vantagens que Cabo Verde está disposto a consentir em benefício de cidadãos de outros Estados-membros da CPLP, mas sim para as vantagens globais que resultam para Cabo Verde e os cabo-verdianos da inserção num espaço muito mais vasto, histórica e culturalmente próximo, com uma intensidade de fluxo de pessoas, bens e serviços que a mobilidade naturalmente acarreta”, justifica ainda o texto da alteração.

Pretende “ainda prever a possibilidade de o visto de residência ter também como finalidade a prestação de trabalho remoto por trabalhadores subordinados e profissionais independentes, a pessoas singulares ou coletivas com domicílio ou sede fora do território nacional”, assim como “a dispensa de comprovação de situação fiscal e perante a segurança social aos cidadãos a quem tenha sido concedida ou renovada a autorização de residência no âmbito de processos de regularização extraordinária, no quadro do regime excecional”.

Além de Cabo Verde, integram a CPLP Portugal, Brasil, Timor-Leste, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, São Tomé e Príncipe, Angola e Moçambique.

Por: Lusa